quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

História de Viagem - Castelos: cenários de histórias e lendas

Castelo de Dover - Inglaterra. Foto: Levis Litz
Quando viajamos pelo mundo, ficamos deslumbrados diante dos castelos que cruzam nossas vistas. Imaginamos como deve ter sido na época de suas construções e a vida dos que habitavam por detrás daqueles muros. Um dos terrenos mais férteis em castelos do mundo é o Reino Unido da Grã-Bretanha que compreende a Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

Com a conquista da Inglaterra pelos normandos, os castelos foram sendo edificados para manter o domínio dos conquistadores. No início, os castelos eram feitos de madeira. Conta-se que Guilherme, o Conquistador, chegou a levar consigo um castelo pronto para ser montado, que mais tarde foi substituído por um de pedra, mas que manteve as mesmas características arquitetônicas. Com o passar dos anos, a arquitetura dos castelos foi mudando a medida que novos meios de atacá-los e destruí-los foram sendo descobertos.

Os muros externos tornaram-se os mais importantes, consequentemente mais fortes e robustos. Hoje em dia, na Grã-Bretanha, as estradas que levam aos castelos são ótimas e o turista pode facilmente se deslocar de um lado para o outro. Na costa leste da Inglaterra, por exemplo, situa-se Dover: um castelo bem preservado na cidade com o mesmo nome. Quando o visitei com o amigo André, um grupo de teatro encenava um combate medieval. Para mim foi como se tivesse feito um passeio no tempo.

Castelo de Donnington - Inglaterra. Foto: Levis Litz
Já em direção à outro ponto da Inglaterra, enquanto viajava pelo interior, entrei numa estradinha secundária e, de repente, dei de cara com as ruínas do Castelo de Donnington, próximo a cidade de Dorking. Situadas no alto de uma colina, as ruínas se apresentavam cercadas por ovelhas - aproveitamos para admirar este belo cenário típico britânico.

Mais a oeste, a algumas horas dali, tem o Castelo de Dartmouth, próxima a cidade de Paignton construído sobre rochas à beira-mar. Erigido no século XV, foi escolhido como quartel durante a Segunda Guerra. Equipamentos e armas do Exército britânico foram preservados e tornaram uma atração do lugar. Entretanto, como eu sempre gostei das histórias do Mago Merlin e Morgana, não podia deixar de pisar em Tintagel, na costa oeste, em Cornwall, e conhecer as ruínas do Castelo de Tintagel, onde segundo a lenda teria nascido o Rei Arthur, filho de Igraine e Uther Pendragon. Infelizmente era outubro e chovia muito, mas mesmo assim foi um momento inesquecível estar naquelas paragens.

O que não falta no Reino Unido são castelos. Mais ao norte, na Escócia, as ruínas do Castelo de Urquhart, à beira do Lago Ness e seu famoso habitante - The Loch Ness Monster, visto facilmente após algumas garrafas de uísque escocês legítimo, impressionam, contudo as ruínas que guardo com carinho na memória, já que não pude fotografar devido ao mau tempo, é o Castelo de Dunnotar, próximo a pequena cidade de Stonehaven, na costa do Mar do Norte, ao sul de Aberdeen. Passei a noite acampado aos pés do penhasco que se alongava para o alto nas pedras da parede do Castelo. Uma imagem inesquecível.

Pedras da História da Humanidade
Ao cruzar a Europa, castelos e construções magníficas passam diante dos nossos olhos, como o belo Castelo de Neuschwastein (Alemanha).

Ao desembarcar do Navio Silver Paloma em Haifa, Israel, fui, acompanhado por alguns brasileiros, instalar-me como voluntário no Kibutz Mizra, o que proporcionou conhecer um pouco da região com seus passeios. Assim nós voluntários, num desses passeios, seguimos o nosso guia que portava uma metralhadora como medida de proteção.

A ideia de entrar no Castelo de Namrud, uma fortaleza da época das cruzadas, agradou o nosso grupo, principalmente quando soubemos que havia uma passagem secreta que ligava um dos quartos da torres para fora do castelo e que iríamos percorrê-la - o que impressionou foi a saída, que era uma estreita fresta entre as enormes pedras da parede do castelo e que do lado de fora parecia impossível qualquer pessoa atravessar, todos nós passamos sem dificuldades.

Metulla, Israel, fronteira com o Líbano. Foto: Levis Litz
 Ao fim da tarde, quando nos dirigíamos para a cidade de Metulla, fronteira com o Líbano, notamos o contraste da vegetação rasteira verde com o solo arenoso e seco do deserto. Naquela região conturbada pelas diferenças de pensamentos e atitudes, fomos testemunhas de um pequeno incidente a poucos metros de onde estávamos: um veículo tentou atravessar a fronteira e ingressar no Líbano, mas logo em seguida o
motorista desistiu da tentativa, assim que percebeu do que ele era alvo. Com o ruído das armas sendo carregadas para disparar, a tensão tomou conta de todos nós, mas tudo terminou bem. Virou história para ser contada em rodas de amigos.

Andar pelo mundo e entrar nos castelos dos antigos guerreiros, fantasmas, lendas, bruxos, fadas, magos, reis, rainhas e belas princesas é como fazer parte das histórias e segredos guardados pelo tempo. Se você tiver a chance de conhecer algum castelo, não deixa a chance escapar entre seus "olhos".

-----------------------------------------------------------------------------------
Nota: este texto reflete fielmente os fatos quando publicado, entretanto, alguns de seus dados podem ter sido alterados com o tempo. Certifique-se de obter informações atualizadas por outras fontes antes de tomar este texto como referência.
-----------------------------------------------------------------------------------
Comente este texto aqui ou em: fotoserumos@gmail.com ou levislitz@hotmail.com
-----------------------------------------------------------------------------------
Quer ler mais Histórias de Viagem? Visite: Fotos e Rumos (http://www.fotoserumos.com/)

Nenhum comentário:

Postar um comentário