sábado, 6 de abril de 2013

Cultura e Imigração Chinesa, uma história contada por chineses e chinesas em Curitiba

Chineses de Taiwan (Formosa)
que vivem em Curitiba.
Prof. Chang e sua filha. Foto: Levis Litz
Por Zélia Maria Bonamigo

O que faz um chinês ou uma chinesa deixar seu local de origem? Quais as principais dificuldades experimentadas? Por que insistiram em permanecer no Brasil, apesar de preconceitos iniciais? Perguntas como estas são respondidas pelo livro Cultura e a longa marcha de chineses e chinesas até Curitiba, do desembargador Rubens Oliveira Fontoura.

A partir de leituras cuidadosas sobre o passado e o presente da China, e das entrevistas realizadas com imigrantes chineses que partiram de Hebei, Xangai, Taiwan, Hong Kong e Moçambique, a obra conta aspectos curiosos da vida dessas pessoas fortes, determinadas e destemidas.

O livro foi lançado no dia 9 de fevereiro de 2013 em Curitiba, na véspera do início do Ano Novo Chinês – Ano da Serpente – no Restaurante e Castelo Trevizzo, em Santa Felicidade, bairro de Curitiba, com a presença das comunidades chinesa e brasileira. Nessa noite os membros da Associação Cultural Chinesa e sua diretoria, sob a presidência de Francisco Guo, distribuíram atenção aos participantes, entregaram calendários a autoridades e membros da mesa e desenvolveram o cumprimento do protocolo do evento, envolvendo jantar, referências tradicionais e sorteios de prêmios, ações devidamente documentadas pelo fotógrafo Nino Guo.

A obra despertou a atenção de muitos chineses sobre o porquê Fontoura teria se interessado pelo tema. A falta de um trabalho anterior, envolvendo os itens tratados no livro, a ampliação da visibilidade chinesa e da importância de sua atuação em Curitiba, foram itens destacados pelo autor, que também trocou ideias com Lorenzo Gustavo Macagno, professor do Departamento de Antropologia e do programa de Pós-graduação da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que vem realizando estudos sobre temáticas, narrativas e representações árabes, africanas, asiáticas e sul-americanas e de comunidades diaspóricas.

“Se coisas são dadas e retribuídas
é porque se distribuem respeitos”

O encontro das diversidades chinesa e brasileira, e as trocas de mercadorias e de dádivas ali presentes, remetem-nos a uma outra obra, Ensaio sobre a dádiva, do antropólogo Marcel Mauss (1925), sobre estudos voltados a áreas como Polinésia e Melanésia, Noroeste Americano. Naquele contexto, “as coisas têm uma personalidade, e as personalidades são, de certo modo, coisas permanentes do clã”.

Relendo Mauss para o contexto em foco, os calendários presenteados aos convidados, por exemplo, cujas imagens remetem a lugares turísticos da China, tornam-se coisas carregadas de um sentido cultural bem característico. São representações de fatos históricos, criadores de sentidos novos para as obras dos antepassados, fatos que se tornaram com o tempo “lugares mágicos”. Assim, os lugares são confundidos com os espíritos daqueles que fizeram as obras para permanecerem no tempo, e as construções se confundem com os espíritos de seus construtores.

Por outro lado, enquanto bens são trocados (vendas de livros, distribuição de prêmios, refeições e informações), são os votos de sabedoria, sorte e riquezas, partilhados na comemoração do início do ano novo chinês, que se transmitem. Fundamentalmente, é porque se desejam e se obtém tais elementos que se vive o espírito de amizade entre chineses e brasileiros.

Diz Marcel Mauss a partir do seu contexto de pesquisa: “Se coisas são dadas e retribuídas [...] é porque se dão e se retribuem ‘respeitos’ – podemos dizer igualmente ‘cortesias’. Mas é também porque as pessoas se dão ao dar, e, se as pessoas se dão, é porque se devem – elas e seus bens – aos outros”.

Considerando o evento da comemoração do Ano da Serpente e o lançamento do livro sobre os chineses, se as atenções dos membros da Associação Cultural Chinesa, bem como do autor Rubens Fontoura, são dadas e retribuídas, retornam respeitos e amizades.

Adolescentes, jovens e adultos se interessam pelo conteúdo do livro e apresentam a cortesia da atenção e da valorização. Imigrantes mais velhos, que passaram pela experiência da “longa marcha até Curitiba”, se prontificam em apresentar novas interpretações da história de sua “marcha” para uma segunda edição.

Assim, jovens e adultos graduados e pós-graduados, chineses e brasileiros, compõem um ambiente de trocas. Famílias dos participantes do livro comentam com os pares fotos que aí testemunham despedidas, trajetos chegadas, práticas religiosas, gastronômicas e culturais em Curitiba. Destacam o passado cultural e a construção de uma vida na capital paranaense.

A comemoração do ano novo chinês ajuda-nos a repensar que mesmo em sociedades capitalistas, como a nossa, a dádiva se faz presente. Em outras palavras, trocam-se muito mais que mercadorias.

Pode-se aprofundar o sentido da dádiva em: MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Y Naify, 2003.

Sobre a imigração chinesa: FONTOURA, Rubens Oliveira. Cultura e a longa marcha de chineses e chinesas até Curitiba. Curitiba: Edição do autor, 2012.


Zélia Maria Bonamigo
zeliabonamigo@uol.com.br
Jornalista, antropóloga, membro do Instituto Histórico e Geográfico do Paraná.     -------------------------------------------------------------------------------
  Artigo autorizado pela autora para publicação neste blog; publicado originalmente em: http://www.nota10.com.br/antigo/artigo-detalhe/8791_Cultura-e-Imigracao-Chinesa,-uma-historia-contada-por-chineses-e-chinesas-em-Curitiba

Um comentário: