terça-feira, 2 de abril de 2013

Pesquisa dos efeitos do Tai Chi Chuan

Prof. Levis Litz com alunos do Colégio Medianeira no Jardim Botânico em Curitiba
O professor de Tai Chi Chuan Levis Litz elabora pesquisa para monitorar os efeitos da prática em seus alunos

A ideia é antiga, mas efetivamente tomou fôlego com o início do ano de 2013. O professor Levis Litz, pós-graduado pela Escola Brasileira de Medicina Chinesa, resolveu levar adiante seu projeto de monitoramento dos efeitos da prática em seus alunos.


A princípio ele tinha como objetivo fazer uma pesquisa para fins de publicação em revistas especializadas de saúde, entretanto, devido a amplitude dos efeitos do tai chi chuan - o que tornaria inviável a realização de tal trabalho, o professor teve que buscar novos horizontes para sua pesquisa.

Assessorado por vários profissionais relacionados à saúde e ao ensino do tai chi chuan - psicólogos, terapeutas, psicanalistas, médicos, fisioterapeutas, educadores físicos, artistas marciais, entre outros, o professor Levis - oportunamente, terá sua pesquisa pronta para entrar em funcionamento. O início do monitoramento se dará com uma entrevista com uma série de perguntas pertinentes ao praticante, incluindo aspectos físicos, emocionais e funcionais.

Entre os itens pesquisados há questões relacionadas com o cotidiano, forma de pensar e agir e reagir. O praticante que participa da pesquisa tem de especificar se apresenta algum tipo de limitação, dificuldade, distúrbio, deficiência ou problema de saúde, tais como, depressão, diabetes, fibromialgia, artrite, hipertensão, hiperatividade, entre outros.

Ao início da pesquisa, o praticante fica ciente da importância da mesma e assume a responsabilidade pelas informações ali prestadas, bem como da responsabilidade de praticar tai chi chuan de forma regular e no período acordado com o professor.

Além disso é pedido ao praticante/iniciante para permanecer em duas posturas de tai chi chuan, uma das quais é de acordo com a Escala de Equilíbrio de Berg (Berg et al, 1992; Miyamoto et al, 2003), validado cientificamente. São posturas simples para aferir a limitação corporal no equilíbrio e de base (grounding) do aluno.   Os resultados da pesquisa serão publicados na página na internet do professor em: www.TaiChiCuritiba.com.br.

Referências


. Exercícios Chineses para a Saúde. Manual oficial da República Popular da China. Dr. Cho Ta Hung. São Paulo, 1985.

. Nutrir la Vida – Más allá de la felicidad. François Jullien. Katz, Madrid. 2007.

. Psicomotricidade e Tai Chi Chuan - Uma relação íntima. Alex Silva Costa. Revista Tai Chi Brasil, Edição nº 5, Curitiba, 2010.

. Efeitos do Tai Chi nos Sintomas de Fibromialgia e na Qualidade de Vida. Taggart HM, Arslanian CL, Bae S, Singh K. Revista Tai Chi Brasil, Edição nº 3, Curitiba, 2010.

. Os efeitos da prática do tai chi em pacientes com diabetes. Wang JH. Revista Tai Chi Brasil, Edição nº 1, Curitiba, 2009.
. Tai Chi, concentração, harmonia e saúde em qualquer idade. Levis Litz. Revista Mediação. nº 11. Curitiba, 2011.

. Avaliação das mudanças da frequência cardíaca, noradrenalina, cortisol e aspectos psicológicos de praticantes do Tai Chi. Jin P. Revista Tai Chi Brasil, Edição nº 2, Curitiba, 2009.

. Tai Chi Chuan: nova modalidade de exercício para idosos. Lucy Gomes, Márcio de Moura Pereira e Luís Otávio Teles Assumpção. Revista Tai Chi Brasil, Edição nº 4, Curitiba, 2010.

. Tai Chi For Health. Chen Zhenglei and Liming Yue. Chen Style Tai Chi Centre, Manchester. 2005.

. T’ai Chi Ch’uan para a saúde. Martin e Emily Lee e Joan Johnstone. Pensamento, São Paulo. 1989.

Nenhum comentário:

Postar um comentário